samam-960x540

Dicas de Saúde: Vamos falar um pouco sobre febre amarela

samam-960x540
Samam Marques – Farmacêutico – Bioquímico

FEBRE AMARELA

 O que é?

A febre amarela é uma doença infecciosa aguda, causada pelo vírus da febre amarela (vírus amarílico), conhecido cientificamente como um Arbovírus, do gênero Flavivírus, doença de curta duração (máximo 10 dias), com gravidade extremamente variável, abrangendo desde casos assintomáticos até casos fatais, ocorre de forma endêmica na América do Sul e na África.

grafico 1

Situação da Febre Amarela no Brasil

grafico 2

Como se adquire?

Existem, entre nós, dois tipos diferentes de transmissão da febre amarela: a urbana e a silvestre, um terceiro tipo intermediário é responsável por surtos na África. A principal diferença é que nas cidades, o transmissor da doença é o mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue. Nas matas, a febre amarela ocorre em macacos e os principais transmissores são os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que picam preferencialmente esses primatas.

Esses mosquitos vivem nas vegetações à beira dos rios. Picam o macaco doente e depois, o homem. “É importante ressaltar que a febre amarela silvestre só ocorre em humanos ocasionalmente. Os macacos são os principais hospedeiros”. “Os mosquitos transmissores só picam homens que invadem o habitat dos macacos”.

O último caso de febre amarela urbana registrada no Brasil foi em 1942, no Acre. Entretanto, a forma silvestre da doença provoca surtos localizados anualmente. A maior incidência da doença acontece nos meses de janeiro a abril, nessa época, há um aumento da quantidade do mosquito transmissor e deslocamento de mais pessoas às áreas de risco.

 O que se sente?

Os sintomas são: febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina). Após a picada do mosquito transmissor a doença começa a se manifestar dentro de 3 a 6 dias (chamado período de incubação). Nas zonas endêmicas, boa parte dos casos, não apresenta sintomas (quadros assintomáticos). Nos sintomas chamam atenção, a febre e a mialgia (dor muscular), principalmente nas costas. Cefaléia intensa (dor de cabeça), perda do apetite, náuseas e vômitos completam o quadro clínico. Com mais 3 ou 4 dias de evolução a maioria dos pacientes melhora e os sintomas desaparecem. Cerca de 15 % dos pacientes dentro 24 horas entram na fase chamada tóxica.

Desenvolvendo icterícia (derramamento de bílis), dor abdominal, petéquias (hemorragias na pele), hemorragia urinária, de gengivas, estômago, intestinos e melena (hemorragia digestiva com eliminação de fezes pretas), e epistaxe (hemorragia nasal) A função renal se compromete, podendo se acompanhar de perda da função do fígado e do coração, quando isto ocorre, a mortalidade se aproxima de 50 %, sendo maior entre as crianças e os idosos.

 Como se transmite?

A febre amarela é transmitida pela picada dos mosquitos transmissores infectados. A transmissão de pessoa para pessoa não existe.

Como se trata?

Não existe tratamento curativo, ele é baseado em evitar complicações e dar suporte efetivo caso as funções vitais estejam comprometidas. O tratamento é apenas sintomático e requer cuidados na assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido numa Unidade de Terapia Intensiva. Se o paciente não receber assistência médica, ele pode morrer.Como na Dengue o emprego de aspirina é formalmente contra-indicado

 Como se diagnostica?

O diagnóstico é essencialmente clínico, os exames complementares informam sobre as complicações e comprometimento das funções vitais. Os exames virológicos são decisivos na confirmação dos primeiros casos.

 Prevenção

As únicas formas de evitar a Febre Amarela Silvestre são a vacinação contra a doença, a educação da população e a conscientização sobre sua responsabilidade na prevenção FEBRE AMARELA – DENGUE. A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde em qualquer época do ano e nos postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) presentes em todos os portos e aeroportos do País. Nos últimos três anos, mais de 60 milhões de pessoas foram vacinadas no Brasil. A vacinação é indicada para todas as pessoas que vivem ou se dirigem para áreas nacionais de risco da doença (zona rural da Região Norte, Centro Oeste, estado do Maranhão, parte dos estados do Piauí, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), onde há casos da doença em humanos ou circulação do vírus entre animais (macacos), e para algumas áreas internacionais. Em viagens internacionais, para vários destinos, é necessário o registro da vacina contra Febre Amarela no Certificado Internacional de Vacinação. Ela deve ser aplicada 10 dias antes da viagem para as áreas de risco de transmissão da doença. Pode ser aplicada a partir dos 12 meses e é válida por 10 anos. A vacina é contraindicada para gestantes, imunodeprimidos (pessoas com o sistema imunológico debilitado) e pessoas alérgicas a gema de ovo. Para os nascidos em zonas endêmicas a vacinação é realizada rotineiramente e a partir dos 6 meses de idade.

É necessário informar a população sobre a ocorrência da doença e como evitá-la. O risco da reintrodução da febre amarela urbana pode ser reduzido com o controle do Aedes aegypti. O mosquito transmissor prolifera em qualquer local onde se possa acumular água limpa parada, como caixas d’água, cisternas, latas, pneus, cacos de vidro e vasos de plantas. Grandes campanhas de prevenção foram realizadas a partir da descoberta do agente transmissor da doença, mas ainda há o risco de retorno da febre amarela nas áreas urbanas. É que na década de 80, com a reintrodução do mosquito Aedes aegypti no Brasil, voltou a possibilidade de aparecimento de casos da doença nas áreas urbanas, a exemplo da dengue. O combate ao mosquito deve ser feito de duas maneiras: eliminando os mosquitos adultos e, principalmente, acabando com os criadouros de larvas. Dos ovos surgem as larvas, que, depois de algum tempo na água, vão formar novos mosquitos adultos.

Deixe um Comentário